Fake News: o papel da sugestão em um mundo rápido


Quinta-feira, 30 de junho de 2022, 16:00 – 17:30 BST
Este webinar será em inglês.


Painelistas: José Carlos Calich, Jennifer Logue, David Morgan
Moderadora: Maria Eugenia Tovar

Grupo de discussão do LinkedIn
https://www.linkedin.com/groups/14048609/

Podcast (a seguir em breve)
Ian Miller - Aspirando a Pensar na Era do Anti-Pensamento
https://talksonpsychoanalysis.podbean.com


O fenômeno das fake news nos fez pensar nos mecanismos de influência massiva sobre a população. A pós-verdade, a credibilidade social, a autoridade e a velocidade de disseminação desse tipo de informação fazem dele um tema fascinante para a psicanálise. A influência dos aspectos transferenciais no líder, a expressão aberta e sem críticas nas redes sociais e a relação com a realidade virtual são alguns elementos psicanalíticos que podem ajudar a compreender sua presença. Este webinar buscará ampliar as possibilidades do nosso campo de entendê-los. 



Painelistas


José Carlos Calich (Brasil)
Analista de formação da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre (IPA) e atual Diretora de Formação de seu instituto. Professor da New York University (NYU) no Programa de Psicanálise: NYU-Postdoc (desde 2015). Membro do Comitê Científico da Fundação Jean Laplanche - Institut de France, desde 2009. Membro Honorário da Associação Psicanalítica Mexicana (Cidade do México, México) desde 2010. Editor da Revista Internacional de Psicanálise pela América Latina. 2012-2017. Atualmente (desde 2017), membro do Conselho Editorial do IJP. Coordenador da América Latina do Grupo de Trabalho sobre Método Clínico Comparativo (CCM), desde 2007. Ex-Presidente da Sociedade Psicanalítica de Porto Alegre 2020-2021 

Título: Um olhar psicanalítico sobre as notícias falsas
As fake news são um dos fenômenos comunicacionais mais relevantes do século XXI. O objetivo deste artigo é uma reflexão psicanalítica sobre a relação e o psiquismo individual e coletivo. Uma conexão necessária com a cultura do narcisismo e seu papel como o mito predominante da cultura é desenvolvida.


Jennifer Logue (EUA)
Jennifer Logue é professora da Southern Illinois University Edwardsville, diretora do programa de pós-graduação em Diversidade e Equidade em Educação, Departamento de Liderança Educacional. Ela ensina cursos básicos para o programa de pós-graduação e o Programa de Honras de graduação e Estudos da Mulher Menor. Doutorado. Filosofia da Educação, Departamento de Estudos de Políticas Educacionais, Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (UIUC), com Pós-Graduação em Estudos de Gênero e Mulheres e certificação da Unidade de Teoria Interpretativa e Crítica. Mestrado em Filosofia da Educação, Departamento de Teoria e Estudos Políticos em Educação, Instituto de Estudos em Educação de Ontário; Licenciatura colaborativa com o Instituto de Estudos da Mulher e do Género. O Dr. Logue também é Candidato no Programa de Treinamento Analítico de Adultos do Instituto Psicanalítico de St. Louis.

Título: Mídias anti-sociais, hostilidade fabricada e o fim da democracia: sobre a importância de desenvolver sensibilidades psicanalíticas na educação 
Há um consenso crescente de que as plataformas de mídia social que permitem a proliferação de notícias falsas são uma das maiores ameaças à democracia. Ao nos envolver, enfurecendo-nos, as campanhas de desinformação exacerbam com sucesso as divisões ideológicas existentes, impedem o pensamento crítico colaborativo sobre as diferenças e, por fim, prejudicam a democracia. Muitas pesquisas inovadoras em divisões disciplinares identificam o direcionamento de nossas emoções por meio de mensagens personalizadas de mídia social como a nova fronteira da propaganda. Como a psicanálise vê a vida emocional como nosso recurso mais significativo para aprender a pensar e aprender a pensar de maneira diferente, sugiro que o insight psicanalítico é essencial para a criação de novas pedagogias que nos permitem navegar melhor pela crise da pós-verdade, esse clima de ódio e medo, a epidemia de guerra de informação afetiva em que nos encontramos atualmente.


David Morgan (Reino Unido)
Ele trabalhou como psicoterapeuta consultor no NHS e em consultório particular como psicanalista por 25 anos. Ele é presidente dos Seminários de Mentes Políticas no Instituto de Psicanálise de Londres. Sua pesquisa recente se concentrou nas implicações psicológicas para os denunciantes e as condições, social, política e psicologicamente, sob as quais uma pessoa pode "fechar os olhos" ou assumir a responsabilidade de denunciar. Ele também apresentou um podcast chamado Frontier Psychoanalyst. Ele é o editor de dois livros sobre The Unconscious in Political and Social Life (Phoenix). 


Título: A maioria das pessoas não quer realmente saber a verdade
Esta apresentação fornecerá algumas informações sobre o fenômeno de que a maioria das pessoas realmente não quer saber a verdade. Eles/nós queremos a garantia constante de que aquilo que eles/nós acreditamos é a verdade. Vou me concentrar no meu trabalho com denunciantes e divulgações sociais e como eles nos enfrentam com realidades ocultas intragáveis.

Apresentador

Maria Eugênia Tovar:
Formou-se pela Universidade Católica Andrés Bello (Venezuela) e é Analista de Formação da Sociedade Psicanalítica de Caracas. María Eugenia tem diferentes estudos em psicologia comunitária e psicanálise em várias instituições acadêmicas. Ela está em consultório particular na cidade de Caracas.