Blog Mentes das Crianças na Linha de Fogo
Crianças em um mundo em guerra
Mónica Cardenal



Uma criança na Ucrânia, todas as crianças do mundo. Esse pensamento reverbera em mim, evocando o Oriente Médio, África ou América Central, só para citar algumas das regiões do planeta onde crianças e adolescentes sofrem violência extrema de diversas formas. 

Por isso, gostaria de convidá-los a imaginar o mundo emocional de uma criança que pode ter perdido tudo sob o fogo da violência. Também podemos nos perguntar qual é o nosso papel como analistas diante de uma catástrofe emocional como essa, onde há muito o que fazer. Ao mesmo tempo, a tarefa é delicada e complexa. Não se trata apenas do furor de querer ajudar a qualquer custo. 

Quando a crueldade emerge de forma massiva, é muito difícil para nós não sucumbir ao seu impacto, mas continuar pensando de maneira emocionalmente próxima a quem está sofrendo, principalmente as crianças. Acredito que, nesse contexto, é fundamental resgatar as individualidades, tarefa inerente à psicanálise. Lembro-me, portanto, de Melanie Klein e Richard, sua evacuação de Londres, os bombardeios, o consultório improvisado. Todas as fantasias que Richard exibia no relacionamento com Klein. Ambos são corajosos; paciente e analista, por construir uma relação em meio a uma linha de fogo. Hoje também tem muita gente corajosa. Sinto alegria em saber que os analistas podem continuar trabalhando nas piores circunstâncias com nosso método. Em seu precioso artigo, Adam Limentani (1987) percorre as respostas da IPA e das sociedades do resto do mundo durante os anos da Segunda Guerra Mundial, de 1939 a 1945 e analisa os desenvolvimentos e estagnações da psicanálise naqueles tempos.

Embora a guerra na Ucrânia esteja geograficamente distante de mim, mantenho uma conversa próxima com cada colega daquele país e de países que prestam assistência aos refugiados. Estou perto do desconforto. A assistência às crianças é a mais urgente; crianças deslocadas sozinhas, órfãs, crianças que viram o pior e perderam tudo. 

Então, caros colegas, procuro entender como será o mundo emocional dessas crianças em nosso tempo, nessas guerras, e qual é a nossa tarefa. Não quero me apegar a nenhuma ideia teórica sobre trauma, acredito que isso possa se mostrar um pouco estéril. Prefiro pensar nas crianças de perto, e focar nas capacidades da mente para poder simbolizar, como a única forma de elaborar a violência internamente. Quando escrevo, me inspiro em minha experiência com crianças e adolescentes refugiados na América Latina nos últimos anos, por meio de uma organização no México. São crianças que fogem das guerras em seus próprios países da América Central. Tráfico de drogas, gangues, crianças-soldados que sofreram violência extrema contra eles ou seus entes queridos. Na maioria das vezes eles fogem sozinhos, às vezes com suas mães, que podem morrer no caminho. Os fenômenos da segunda pele surgem como Esther Bick descreveu, quando a mente permanece sem um objeto recipiente interno capaz de sustentar e unificar o Self. Na presença de eventos catastróficos de qualquer tipo, tais objetos recipientes podem ser destruídos ou fragmentados, deixando o Self sem integração e suporte. Isso é vivenciado concretamente ao nível do corpo; predominam sintomas somáticos, falsa independência, condutas imprudentes e impulsivas; o Self se defende fantasiando que não precisa de ninguém de quem depender amorosamente. Podemos nos perguntar de que maneira os eventos traumáticos sofridos ao longo da curta vida das crianças testam a capacidade dos aspectos mais maduros de sustentar novas experiências nas quais a dor pode ser tolerada, para crescer. A experiência me mostrou que sempre que podemos intervir psicanaliticamente, as crianças e os jovens têm grandes esperanças de levar uma vida emocional plena. Agora temos novas ferramentas para auxiliar durante crises humanitárias (Tempos Especiais para crianças de rua e refugiados, observações aplicadas com pediatras, intervenções breves mãe-bebê ou grupos de discussão de trabalho com voluntários ou profissionais que atendem). Estar perto das crianças significa poder ajudá-las a serem elas mesmas e ajudá-las a desenvolver as capacidades receptivas e introjetivas da mente, onde a gama de emoções - incluindo as mais negativas - pode ser contida como os acontecimentos que lhes acontecem em com o mundo ao seu redor.  

Vou me concentrar em uma foto tirada pelo fotógrafo argentino Rodrigo Abd em Bucha, publicada no jornal La Nacion em 9 de abril de 2022. Um menino de 6 anos em frente ao túmulo de sua mãe, bem perto de sua casa. Ela morreu de depressão, diz o artigo, depois de passar muito tempo em um abrigo, ela se recusou a comer. A criança e seu irmão de 10 anos começaram a levar comida e bebida para o túmulo que havia sido improvisado próximo ao que havia sido sua casa. Eles também jogaram perto dele. Meu sentimento não era de tristeza, apenas pensei que a mente tem tantos recursos para continuar. A ideia foi deles, já que a mãe deles se recusou a comer no abrigo e eles queriam se lembrar dela, tê-la internamente, diríamos, comendo. Como encontrar em si mesmo uma presença reconfortante que possa ser um suporte interno diante da dor causada por uma perda tão traumática? Talvez algumas das primeiras boas experiências com esse objeto possam ser uma das bases para investigar e trabalhar para a recuperação da mente em situações de extrema violência e perda. Como descrevi, a possibilidade de ter dentro de si um objeto de contenção, que tenha sido capaz de dar ao Self a experiência emocional de estar alojado dentro de um recipiente receptivo durante os primeiros anos de vida, pode ser a única possibilidade que a mente tem para sustentar. a si mesmo diante da demanda e da dor urgentes, e até mesmo poder aceitar a ajuda que o outro fornece externamente. 

Rodrigo Abd/AP/Shutterstock

Se pudéssemos estar perto da experiência emocional de uma criança, perto de sua forma de construir o mundo sem impor nossas teorias, acredito que poderíamos ser melhores analistas para ela. A psicanálise infantil trabalha para fazer uma experiência emocional de aprender sobre si mesmo, sobre os vínculos e o mundo, mesmo quando os tempos são críticos devido a uma pandemia, uma guerra ou outras catástrofes. Gosto de pensar que nossa tarefa é ajudar as crianças a se ajudarem, oferecendo a alternativa de reconhecer suas próprias emoções à medida que elas surgem, mesmo nas circunstâncias mais dramáticas. 


Ref
Limentani A. (1989). O movimento psicanalítico durante os anos da guerra (1939-1945) segundo os arquivos da IPA. Revisão Internacional de Psicanálise, 16(1), 3–13.

Mónica Cardenal
Analista de treinamento na Associação Psicanalítica de Buenos Aires
Professor Associado em Psicologia Clínica e Pós-Graduação em Psiquiatria Infantil no Instituto Universitário, Hospital Italiano, Buenos Aires.
Coordenador do Seminário de Observação Infantil, Método Bick, no Hospital Italiano 
Consultor do Comitê de Psicanálise da Criança e do Adolescente da IPA
Presidente da Comissão IPA de Assistência Psicanalítica em Crises e Emergências   


Volte para o Blog Mentes das Crianças na Linha de Fogo

Comentários

Você deve entrar para deixar um comentário.

Novo comentário:

Anexo: 
  

Editar comentário:

Anexo:      Apagar
   

Inscreva-se nos comentários da página:

E-mail:
Frequência:
Inscrever-se:
 
Deseja se inscrever / cancelar a inscrição nos comentários? Por favor clique  aqui