Blog Mentes das Crianças na Linha de Fogo
NASCIDO E CRIADO EM TEMPOS DE PANDEMIA: Primeiras Observações

Por Patricia Singer

                
 No ano de 2020 o SARS CoV-2 nos invadiu e ameaçou nossas vidas. Embora tenham se passado dois anos desde seu início, ainda é difícil falar sobre isso no passado, embora possamos ver um horizonte diferente.

Nos momentos iniciais da pandemia, o transbordamento e a confusão mental se apoderaram de nós junto com a angústia diante das desconhecidas e massivas contagens de mortes que viralizaram nas redes sociais.

Isolamentos, uso de máscaras e sistemas de desinfecção tornaram-se medidas de proteção. As fronteiras entre rituais obsessivos e medidas de cuidado foram borradas e combinadas. Os sistemas econômicos, políticos e sociais foram sobrecarregados e as famílias foram abaladas. 

Globalmente, estima-se que 6 milhões de pessoas morreram do vírus e suas complicações.

Algumas faixas etárias foram atingidas em suas necessidades mais básicas, como adolescentes, bem como idosos que foram segregados e afastados de seus afetos vitais.

Nesse sentido, gostaria de parar e pensar nos bebês e pais que nasceram durante a pandemia. 

O bebê em seu estado indefeso precisa de seu ambiente materno para se tornar um sujeito psíquico. É vital para o recém-nascido que haja outro emocionalmente disponível para cuidar e protegê-lo das pulsões e impulsos externos que inicialmente se apresentam de forma caótica. 

O recém-nascido precisa de atenção emocional sensível para mitigar a sensação de desamparo e formar gradualmente a base narcísica para se sentir vivo e tornar-se um sujeito.

Uma criança que pode dizer 'eu sou...' passou por um longo processo, seu 'ser eu' resulta de um árduo trabalho psíquico que dá conta de uma conexão ampla, complexa e dinâmica entre a criança e seus pais, onde “aspectos da amadurecimento neurofisiológico, desejos, experiências, eventos, fantasias gestados na inter-relação entre a criança e seu ambiente” [1]

O nascimento e a chegada de uma criança no ambiente familiar sempre provoca um comoção emocional. Winnicott foi um dos pioneiros em destacar a preocupação materna primária, tão necessária no início da vida do bebê, para atingir aquele estado de sensibilidade elevada que lhe permite adaptar o objeto às necessidades do bebê.  

Atualmente encontramos diferentes tipos de famílias: família nuclear, monoparental, casais do mesmo sexo e famílias mistas, com diferentes estilos parentais, talvez levando-nos a alargar o conceito para “preocupação parental primária”.

Em tempos de pandemia, vale nos perguntar como esses processos tanto de parentalidade quanto de estruturação psíquica precoce são afetados. 

O isolamento e o distanciamento social impostos pela pandemia limitaram as redes de apoio tão importantes para quem cumpre a tarefa de dar vida a um bebé. A ausência de ajuda e apoio enfraqueceu a fertilidade psíquica parental, resultando em pais sobrecarregados e angustiados pelo trabalho doméstico, trabalho e/ou perda de uma fonte de emprego. 

A organização familiar foi afetada, o trabalho e as escolas invadiram as casas. O pai-mãe que saiu para trabalhar permite um corte e separação na rotina diária, um exercício de presença-ausência, que foi afetado por uma hiperpresença parental-laboral Essa hiperpresença nem sempre foi acompanhada da "maleabilidade lúdica emocional" necessário para o encontro mãe-bebê. 

Que novos fantasmas são agora adicionados ao berço do bebê? [2]

O pânico das doenças, a presença de múltiplos lutos (trabalho, vínculos sociais fragilizados, etc.), a angústia por crises e mudanças abruptas sem transições tornaram-se parte do atual ambiente social - maternal pandêmico atual.

O bebê que nasceu nesses tempos se viu com rostos preocupados, temerosos, às vezes parcialmente cobertos por máscaras, inusitadas em nossa cultura, com ritos obsessivos e cheiros impregnados de álcool e desinfetantes. O bebê como “um bom meteorologista está exposto a diversas tempestades emocionais, deve lutar com seus próprios impulsos e suas próprias ansiedades e depende absolutamente das vicissitudes de quem o toma como objeto de cuidado”[3]. 

A criança, abunda em sua linguagem não-verbal, gestual, mimética, corporal, balbuciante. O bebê fala com seu olhar, com sua tonicidade corporal, com seus gestos, com seus movimentos, ou em sua versão preocupante, nos chama com sua ausência. É necessário um parceiro ativo e sensível para acolher e decodificar seus gestos espontâneos.

Durante a pandemia, as casas ficaram saturadas de telas, que se tornaram veículos essenciais para dar suporte a múltiplas tarefas. Algumas mães nos contaram que trabalhavam e amamentavam simultaneamente seus bebês, enquanto outros pais diziam que o bebê se “entretinha” com as luzes do computador e isso lhes permitia trabalhar. 

O uso excessivo de aparelhos eletrônicos por crianças pequenas tem sido uma preocupação, principalmente quando funcionam como "chupetas eletrônicas", tornando-se mais um tipo de vírus que ameaça o "circuito lúdico subjetivante" necessário para se tornar sujeito. O adulto apegado às telas também perde a sensibilidade necessária, retraída em sua função de espelho e tradutor dos gestos que o bebê expressa. 

O bebê precisa que o outro, mãe ou pai, compartilhe seus pensamentos com o bebê e interprete suas ações, seus gestos, suas expressões faciais e seu choro. A interpretação parental é necessária, ainda que represente uma violência para a criança, como diz Piera Aulagnier, é uma violência estruturante.

Durante a pandemia, a conexão e o apoio do mundo externo eram limitados. Famílias ficaram presas dentro das casas. Para algumas crianças foi uma grande oportunidade ter ambos os pais juntos em casa, para outras foi uma fonte de grande desorganização.

Na atual reabertura dos centros de educação precoce, famílias e crianças nascidas em pandemias, cunhadas como "quarentenials" ou "bebês pandêmicos", estão sendo bem-vindas. Eles estão ansiosos para sair, entusiasmados em conhecer seus pares como uma nova experiência. As experiências anteriores de separação com seus referentes foram muito limitadas, assim como a transição entre o espaço doméstico e o espaço compartilhado. As perdas objetais que, ao mesmo tempo, constituem um impulso para o desenvolvimento individual, como o desmame e o controle de esfíncteres, foram interrompidas e atrasadas.

Cautelosamente, estamos atualmente observando crianças entre dois e cinco anos de idade com grande dificuldade em tempos de espera, em regular seus impulsos, com dificuldades em socializar com outras crianças, com pouca possibilidade de administrar em espaços regulados. Os professores relatam observar crianças exigentes e onipotentes, com dificuldades em aceitar as pequenas frustrações, espera e sacrifícios da vida cotidiana.

De uma perspectiva clínica psicanalítica, eles observam crianças com uma configuração narcisista frágil, pouco jogo simbólico e narrativa verbal empobrecida, ansiedade de separação, desenvolvendo defesas do espectro autista.

A pandemia e seus transtornos sociais e psicológicos decorrentes deixarão inúmeras questões sobre a qualidade dos encontros intersubjetivos desses bebês, os fantasmas intrusos e as mensagens enigmáticas que circulam no vínculo entre pais e bebês, e como essas mensagens serão inscritas no desenvolvimento filho.
 
Lic Patricia Singer
Psicanalista, Associação Psicanalítica do Uruguai
Diploma em Clínica Perinatal e Transtornos de Apego Precoce, Udelar-Ulbra-Aix en Provence
Co-coordenador do Laboratório Infantil da APU. 
Membro COCAP para a América Latina




[1] Gil, Daniel. (1995). O eu e a identificação primária. In: O eu ferido, escritos sobre o eu e o narcisismo. Ed. Trilce, Montevidéu, Uruguai
[2] Fraiberg, Selma, Adelson, Edna e Shapiro, Vivian. 1975. "Fantasmas no berçário: uma abordagem psicanalítica para os problemas de relacionamentos mãe-bebê prejudicados". Jornal da Academia Americana de Psiquiatria Infantil, 14(3): 387-42
[3] Guerra, Victor: “Alegato por el desamor de la cuidadora” Trabalho inédito apresentado na VIII Semana do Bebê, Canela Brasil, 2008

Volte para o Blog Mentes das Crianças na Linha de Fogo

Comentários

Você deve entrar para deixar um comentário.

Novo comentário:

Anexo: 
  

Editar comentário:

Anexo:      Apagar
   

Inscreva-se nos comentários da página:

E-mail:
Frequência:
Inscrever-se:
 
Deseja se inscrever / cancelar a inscrição nos comentários? Por favor clique  aqui